sábado, 13 de julho de 2013

Criminalistas repudiam cena da novela Amor à Vida da Rede Globo

Uma cena da novela “Amor à Vida”, da Rede Globo, provocou uma nota de repúdio por parte da Acrimesp (Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo). De acordo com o presidente do Conselho da entidade, Ademar Gomes, a postura da personagem Sílvia, interpretada pela atriz Carol Castro, ao orientar seus clientes a mentir, “é imoral, antiética e criminosa, levando uma opinião equivocada sob toda uma classe”.

Na opinião da entidade, a advogada deveria receber uma punição na novela para mostrar que esse procedimento é incorreto. “Isso é crime, ela não pode orientar uma testemunha a mentir e corre o risco até de ser processada criminalmente pelo cliente”, diz Gomes à reportagem de Última Instância.

Segundo Gomes, além de comprometer o cliente (infração do artigo 342 do Código Penal, pelo crime de falso testemunho), essa conduta fere o Código de Ética da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), com previsão de detenção de 1 a 3 anos e multa. Além de passar uma má imagem dos advogados, a cena dá a impressão que tudo pode ser resolvido na base da mentira, alerta o advogado.

Como agravante, Gomes lembra que Bruno tinha a intenção de falar a verdade, ou seja, que encontrou a criança na caçamba e que ela não nasceu no hospital. “Ele seria absolvido se fizesse isso, era só dizer que Deus tinha colocado essa criança na vida dele”. Com o exame de DNA, ressalta, vai ficar claro que ele não disse a verdade, o que caracteriza a orientação profissional da advogada como “absurda”.

Leia abaixo a íntegra da nota da Acrimesp

"Acrimesp repudia cena da novela Amor à Vida

O Conselho da ACRIMESP (Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo) através de seu presidente, Ademar Gomes, enviou ofício à Rede Globo de Televisão repudiando a cena em que a advogada Silvia interpretada pela atriz Carol Castro na novela AMOR A VIDA, orienta as testemunhas e seu cliente "Bruno" a mentirem alegando que Paula nasceu no hospital, mesmo sabedora de que Paula foi encontrada em uma caçamba.

Segundo Gomes, a postura da advogada é imoral, antiética e criminosa, levando uma opinião equivocada sob toda uma Classe, bem como que, na justiça tudo possa ser resolvido com mentiras.

Finalizando, em seu oficio, Gomes solicitou ao autor da novela, Walcyr Carrasco, que se adapte na trama uma punição a profissional que embasou sua defesa de forma mentirosa, mostrando ao público que existe sim, entidades voltadas a punição destes tipos de profissionais".

Em nota, a Globo, informa que desconhece a carta e que as novelas "são obras de ficção", sem compromisso com a realidade. "Ao recriar livremente situações que podem ocorrer na vida real, a dramaturgia busca apenas tecer o pano de fundo para suas histórias, sem a intenção de ofender qualquer categoria profissional".

Fonte:
ultimainstancia.uol.com